miniabdominoplastia

A miniabdominoplastia é um tipo reduzido de abdominoplastia onde é retirando somente o excesso de pele e gordurada da região localizada abaixo do umbigo, criando um perfil abdominal mais suave e tonificado. Como conseqüência, o procedimento é muito menos traumático, com cortes menores e mais bem escondidos em relação a abdominoplastia clássica.

Sua principal indicação seriam os pacientes que estão dentro do peso ideal ou próximos a ele e que tenham apenas flacidez e gordura abdominal localizadas abaixo do umbigo. Em geral ela é feita em pacientes que não poderiam ser submetidos à abdominoplastia clássica, já que não há flacidez suficiente para levar a pele acima do umbigo até o púbis. Frequentemente o procedimento é associado à lipoaspiração, para melhorar o contorno corporal.

As principais características que diferenciam a miniabdominoplastia da abdominoplastia clássica são: porção de pele e gordura ressecadas menor, retirando-se apenas um fuso abaixo da cicatriz umbilical; menor cicatriz resultante; menor descolamento e consequentemente menor morbidade operatória; a plicatura (sutura) dos músculos abdominais separados é feita preferencialmente abaixo do umbigo. Excepcionalmente pode-se realizá-la também acima do umbigo; o umbigo pode ser mantido em sua posição ou reposicionado um pouco abaixo de sua posição original; a recuperação pós-operatória, por ser uma cirurgia menor e com menor trauma cirúrgico, é mais rápida.

A anestesia utilizada para a realização da miniabdominoplastia pode variar muito, sendo que as técnicas mais realizadas são: raquianestesia, anestesia peridural e anestesia geral.

Assim como todo procedimento cirúrgico, a miniabdominoplastia não é isenta de complicações e riscos, apesar de serem baixos. As principais complicações que encontramos são: cicatrizes desfavoráveis, sangramento, hematoma, infecção, acúmulo de líquido (seroma), má cicatrização, necrose da pele, alterações de sensibilidade da pele, inchaço prolongado, assimetrias, deiscência (reabertura de uma ferida previamente fechada) e a possibilidade de novo procedimento cirúrgico (retoque).

Alguns cuidados pós-operatórios são difíceis de serem executados, mas importantes para uma evolução satisfatória. Entre eles destacamos a posição para andar nos primeiros dias após a cirurgia, com o tronco levemente fletido, a posição para se deitar, com a barriga para cima, a cabeceira da cama elevada e as pernas fletidas, repouso, suspensão de exercícios físicos, necessidade de usar cinta moderadora e de realizar drenagem linfática, entre outros.

A miniabdominoplastia irá resultar em um contorno abdominal mais suave e tonificado, com menor morbidade, com uma cicatriz menor e com uma recuperação pós-operatória mais rápida.

Os resultados finais podem ser inicialmente obscurecidos pelo inchaço, mas podem ser claramente vistos em alguns meses.